Buscar
  • USP Mining Team

Os Elementos Terras Raras

Atualizado: 26 de Set de 2019


  • Você já ouviu falar em terras raras?


Com certeza sim! Mas apesar da sua denominação, as terras raras não são “terras” e tampouco são “raras”. A denominação se refere, segundo a IUPAC, a 17 elementos químicos relativamente abundantes, sendo 15 destes elementos pertencentes ao grupo dos lantanídeos (elementos com número atômico entre Z=57 e Z=71) e os outros são o escândio e o ítrio. Todos esses elementos compartilham em comum o fato de ocorrerem nos mesmos minérios e apresentarem propriedades físico-químicas semelhantes e importantes especificidades espectroscópicas e magnéticas.

Segundo o Natural Environment Research Council, há mais de 200 minerais conhecidos que carregam consigo elementos de terras raras, porém nem todos possuem os cobiçados elementos em quantidades economicamente desejáveis. Os principais minerais portadores de algum ou alguns dos 17 elementos são a Xenotima, a Monazita e a Bastnaesita.


  • Histórico das terras raras e aplicações

As terras raras foram utilizadas pela primeira vez em meados de 1891, pelo austríaco Carl Auer von Welsbach. Com uma mistura de 99% de óxido de tório e 1% de óxido de cério, descobriu-se como tornar a chama de uma luz mais brilhante, o que posteriormente levou a indústria a produzir camisas para lampiões a gás com esse material. Ao longo do tempo, as características dos 17 elementos das terras raras foram melhor descobertas: ductilidade, baixa dureza, maleabilidade, altamente magnetizáveis e bons condutores de calor e eletricidade.

Além da aplicação em setores tradicionais, como metalurgia e agricultura, tais características evidenciaram o importante papel desses elementos para a indústria de alta tecnologia: turbinas eólicas, carros híbridos, motores em miniatura, ressonância magnética nuclear, smartphones e tablets, ímãs permanentes, lentes de alta refração e até mísseis. O cério, por exemplo, é utilizado para fabricação de vidros e lentes especiais; o lantânio, em baterias recarregáveis, tendo um importante uso em baterias de carros híbridos; neodímio e praseodímio em ímãs permanentes; o escândio, devido ao seu ponto de fusão muito superior ao do alumínio, tem um importante uso nas indústrias aeroespacial e aeronáutica.


  • Terras Raras no Brasil

O Brasil, um dos principais países do cenário mundial de mineração, não fica para trás quando o assunto é reserva de terras raras. Segundo dados de 2013 do DNPM, o Brasil possui a segunda maior reserva de terras raras, com 22 bilhões de toneladas, logo atrás da China (55 bilhões) e na frente dos Estados Unidos da América (13 bilhões). Embora o território brasileiro se encontre em uma localização privilegiada geograficamente quando se trata deste assunto, os números de produção de toneladas por ano de terras raras no país é relativamente pequeno, dados do mesmo ano mostram que o nosso país foi responsável por 0,5% da produção mundial (600 toneladas), atrás da China (89,1%), Estados Unidos da América (3,6%), Índia (2,5%) e Austrália (1,8%).


O consumo interno brasileiro para o ano de 2013 foi de 1.302 toneladas, sendo que destas, 887 toneladas utilizados como produtos químicos e apenas 415 toneladas em produtos manufaturados. Já a importação de compostos químicos e produtos manufaturados de elementos de terras raras pelo Brasil foi equivalente a US$ 15,31 milhões em 2013, enquanto a exportação no mesmo ano gerou um montante de US$ 1,06 mil.



  • Terras Raras e Geopolítica

A mineração impacta de forma direta a economia dos países que produzem bens minerais e, consequentemente, os países que os compram. Isso faz com que certos bens minerais, devido sua escassez, valor de mercado e importância tecnológica, se tornem “armas” usadas por países que se beneficiam por se localizarem onde esses minérios são encontrados. Como citado anteriormente, as terras raras são de imensa importância para a sociedade moderna devido a sua grande gama de aplicação, e contradizendo sua própria nomenclatura, estão presentes em diversos minerais ao longo de toda crosta terrestre, sendo encontrada em abundância em certas partes do globo. Como é o caso do território chinês, maior detentor de reservas no mundo.

Com isto, a China detém mais de 80% da produção mundial, podendo, de certa forma, controlar o mercado mundial. É neste ponto em que as relações entre a China e os grandes países dependentes de terras raras começam a estremecer, fazendo com que o país passe de aliado comercial para rival estratégico, como é o caso dos Estados Unidos. Grande importador das terras raras chinesas, os EUA são dependentes do jogo de represálias comerciais feita por parte do governo chinês, como por exemplo algumas sanções para diminuir e controlar a exportação do produto para a grande potência ocidental. Consequentemente, só resta ao governo americano aderir medidas para manter o suprimento desses materiais de extrema importância para o país.


  • Opinião

Após saber o que são as terras raras, quais as principais aplicações, as maiores reservas e os grandes produtores do mundo, conseguimos destacar pontos cruciais para a explotação e uso destes bens minerais. Por se tratar de materiais altamente poluentes, porém extremamente necessários para a evolução da sociedade contemporânea, entende-se que o Brasil tem claras vantagens para ir além no uso de terras raras, tanto em tecnologia quanto na exploração dos recursos minerais envolvidos em todo processo de produção do material e diluir o mercado, comandado pela China, colaborando para esfriar uma das grandes guerras comerciais que vem ganhando força ao longo do tempo.

0 visualização

Equipe USP Mining Team 2019